MP 1068/2021 – O retrocesso do Marco Civil da Internet

marco civil da internet

Em vigor há 7 anos, o Marco Civil da Internet (Lei nº 12.695/2014) demonstra ser um instrumento essencial para garantir a segurança jurídica necessária para o uso da internet no país. Os direitos e os deveres nele descritos foram por anos discutidos pelos nossos parlamentares, os quais contaram com a assistência de diversos experts sobre o tema e também com uma forte participação popular através de audiências públicas e plataformas online de debate. Trata-se, inclusive, de um dos primeiros processos legislativos que veio a aplicar o crowdsourcing, mecanismo este que conta com o aproveitamento do conhecimento da população para a produção de atos legislativos e ações governamentais.

Até ser promulgada, a Lei passou por diversas discussões entre as Casas Legislativas. O seu início deu-se em 2007, quando houve a necessidade de se estabelecer um instrumento normativo que viesse a regular o setor sem causar grandes repressões à sociedade – até então, o Legislativo havia travado grandes embates quanto a isto, tais como a discussão do projeto de lei de cibercrimes. Quatro anos depois, em 2011, foi apresentado o Projeto de Lei do Poder Executivo à Câmara dos Deputados (PL 2126/2011), A urgência em termos uma norma sobre o tema era tamanha que a então Presidente Dilma Rousseff assinou uma mensagem de urgência constitucional para que o Congresso finalizasse a apreciação do projeto em 45 dias – a qual, na verdade, só veio a se concretizar 7 meses depois, nas vésperas da NETMundial, evento este realizado em São Paulo e que foi responsável pela elaboração de princípios de governança da internet.

As disposições inseridas na Lei servem como um exemplo de como é possível promover uma intervenção positiva do Estado em uma atividade essencial à sociedade, sem que venha a prejudicar o seu pleno funcionamento. Temas como a liberdade de expressão, de comunicação e de manifestação de pensamento dos usuários, a função social da internet, a proteção dos dados pessoais, o direito à privacidade, a preservação e a garantia da neutralidade da rede foram incorporados ao seu texto como princípios norteadores da regulação do setor. Não obstante, também impôs aos usuários e aos provedores obrigações de responsabilidade civil contra os eventuais danos causados pela má utilização e prestação dos serviços.

Todos essas disposições estão hoje em discussão na Medida Provisória (MP) nº 1068, assinada pelo Presidente da República em 06 de setembro, que visa alterar o conteúdo do Marco Civil. Dentre as principais mudanças propostas está a grave restrição aos provedores de aplicação, tais como Facebook, Instagram, Twitter, YouTube dentre outros, de moderação de conteúdo e exclusão de contas e/ou postagens de seus usuários.  A redação proposta pela MP aos artigos 8º-B e 8º-C do Marco Civil traz que a exclusão, o cancelamento ou a suspensão, total ou parcial, dos serviços e das funcionalidades da conta ou do perfil do usuário de redes sociais, assim como a exclusão, a suspensão ou o bloqueio da divulgação de conteúdo gerado por usuário somente poderão ocorrer com “justa causa”, nos termos das hipóteses listadas.

Ocorre que, ao restringir o rol de hipóteses de “justa causa”, a MP desconsidera o quadro de desinformação que tem se instituído na internet mediante a divulgação de informações falsas e com potencial nocivo, permitindo o agravamento dessa situação. 

Até o momento, já foram identificadas seis Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADI) contra a MP, todas de autoria de partidos políticos – ADI 6996ADI 6993ADI 6992ADI 6995ADI 6994 e ADI 6991. Além das ADIs, o Senador Alessandro Vieira (Cidadania/SE) ingressou, sem vinculação partidária, com um Mandado de Segurança (MS 38207) contra as alterações propostas. Todas as ADIs e o MS estão sob a relatoria da Ministra Rosa Weber.

Destacamos que as ações movidas seguem a linha argumentativa de que a MP viola princípios fundamentais à manutenção da ordem constitucional, tais como o da vedação ao retrocesso, o da liberdade de expressão, o do acesso à informação e o da livre iniciativa, tendo como intuito dificultar que postagens contendo fake news ou promovendo discursos de ódio possam ser excluídas. Outro argumento sustentado é o de que o seu texto contradiz o Marco Civil da Internet, principalmente no que tange aos dispositivos que reproduzem o princípio constitucional de proteção à livre iniciativa por interferir nos termos e nas políticas dos provedores de internet.

Nesse último aspecto, destaca-se a previsão do art. 19 do Marco Civil, que estabelece a responsabilização dos intermediários por danos decorrentes do conteúdo gerado por usuários apenas caso descumpram ordem judicial específica que tenha determinado a remoção do conteúdo. De qualquer forma, nada impede que elas promovam a exclusão e moderem conteúdo de acordo com suas políticas internas. A restrição do conceito de “justa causa” subverte a lógica orientativa do Marco Civil da Internet e agrava cenários que já são, hoje, complexos, além de representar prejuízos aos modelos de negócios dessas empresas. Vale lembrar que o condicionamento imposto pelo art. 19 privilegia a segurança jurídica e a liberdade de expressão dos usuários.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência de navegação. Ao clicar em continuar, você aceita nossos termos.