O GLOBO ouve Eduardo Maneira sobre proposta do governo de tributar dividendos

O GLOBO ouve Eduardo Maneira sobre proposta do governo de tributar dividendos

Reportagem do jornal O Globo entrevistou o Dr. Eduardo Maneira, presidente da Comissão de Direito Tributário da OAB, que opinou sobre a proposta do governo de tributação de dividendos.

Médicos e advogados fazem pressão no Congresso contra reforma do Imposto de Renda


Representantes de categorias liberais e entidades setoriais intensificam lobby para alterar tributação de dividendos prevista em parecer do relator

Eliane Oliveira

21/07/2021 
 

Profissionais liberais pressionam contra reforma do Imposto de Renda Foto: Reprodução

Profissionais liberais pressionam contra reforma do Imposto de Renda Foto: Reprodução

BRASÍLIA — A cobrança de Imposto de Renda sobre lucros e dividendos para todas as empresas a partir de 2022 fez categorias de profissionais liberais e outros segmentos organizados da economia se posicionarem contra a reforma tributária encaminhada pelo Executivo ao Congresso Nacional.

As categorias têm pressionado o relator da proposta, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), contra a mudança. Pela proposta que está no texto do relator, dividendos e lucros, ao serem distribuídos, seriam taxados com uma alíquota de 20% na fonte, de forma exclusiva e definitiva, ou seja, sem compensações.

Haverá uma isenção para até R$ 20 mil por mês, mas desde que a pessoa física receba de micro ou pequena empresa.

Entre as categorias profissionais que querem ser excluídas da nova tributação estão os médicos. O Conselho Federal de Medicina (CFM) pediu em uma carta enviada ao ministro da Economia, Paulo Guedes, para que os profissionais sejam retirados da proposta.

Segundo o presidente da entidade, Mauro Ribeiro, a tributação teria um impacto negativo para a profissão, “já tão combalida e esgarçada no justo e necessário combate à pandemia”.

‘Acerto de caixa’

Ele defendeu a exclusão dos médicos da tributação e afirmou que “qualquer encargo adicional de tributação dos dividendos colocaria a carga tributária que recai sobre o profissional médico em níveis muito próximos de um confisco”.

O presidente da Confederação Nacional de Serviços (CNS), Luigi Nese disse que a reforma é um “acerto de caixa do governo”:

— O texto dá R$ 20 mil de desconto para cada sócio e acaba com a sociedade familiar. Se eu tenho minha esposa como sócia, só posso usar 20 mil reais. Isso vai acabar com as empresas — afirmou Nese, acrescentando que a proposta vai afetar gravemente a classe média baixa.

Para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o projeto prejudica especialmente profissões típicas da classe média. A entidade afirma que a tributação de dividendos, como está proposta, resultará na dupla tributação dos lucros auferidos pelas sociedades de advogados, e será um forte desincentivo à associação profissional.

— Seria importante ressaltar que o pleito não é apenas para advogados, mas para os profissionais liberais em geral. A proposta de reforma do IR trás aumento de carga tributária e complexidade ao sistema — afirmou o presidente da Comissão Especial de Tributação da OAB, Eduardo Maneira.

Tributação sobre lucro

Celso Sabino tem recebido cobranças de diversos setores. Mas ele argumenta que a aplicação de tributos sobre lucros e dividendos é feitas por praticamente todos os países e, no caso específico do Brasil, a taxação será compensada por uma redução “ousada” na alíquota do Imposto de Renda das empresas, que pela reforma cairá de 25% para 12,5%.

— Esse caminho para a taxação de lucros e dividendos é um viés global. Estamos fazendo uma redução bastante ousada na alíquota do Imposto de Renda das pessoas jurídicas. Acreditamos que, com isso, todos os setores serão beneficiados. O caminho é este e vamos fazendo as calibragens — disse o relator.

Mário Sérgio Telles, gerente de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), disse que a entidade é favorável à combinação de tributar o lucro na empresa e parte do lucro na distribuição entre os sócios. O problema são as alíquotas.

A CNI defende uma alíquota de 20% na tributação sobre o lucro (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica + Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), hoje de 34% e que cairia para 21,% na proposta do relator. Já a taxação de lucros e dividendos deveria ser de 15%, e não de 20%, como está no texto.

— A tributação precisa ser equilibrada, para que a empresa use o lucro para reinvestir no negócio — disse Telles.

Efeito sobre bancos

A Febraban defende a reforma tributária por considerar que somente com a mudança nos impostos será possível reduzir a complexidade e os custos operacionais das empresas.

Em nota, a entidade ressaltou que o setor bancário continuará com a maior carga de tributação corporativa em comparação com outros setores da economia, mas ponderou que o substituto do relator representa um avanço em relação ao texto original, do Executivo.

“Com a menor tributação sobre as empresas, reduzindo o imposto corporativo de 25% para 12,5%, cria-se um importante incentivo para que elas ampliem seus investimentos, com ganhos de produtividade e eficiência, crescimento econômico e maior geração de empregos”.

A nota diz ainda que “do ponto de vista do setor bancário, esperamos ainda que haja maior convergência da nossa alíquota com a dos setores que exercem as mesmas atividades, para que tenhamos, além de alinhamento internacional, isonomia entre os players dos mesmos setores”.

Link da matéria

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Usamos cookies para garantir uma melhor experiência de navegação. Ao clicar em continuar, você aceita nossos termos.